Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

17 Mar, 2015

É ESTRANHO!...

 

De há uns tempos para cá sinto uma estranheza enorme dentro de mim. É assim como se não me compreendesse a mim próprio e à evolução dos meus sentimentos mais profundos. Gosto sempre de saber do que gosto.

Evidentemente, também do que não gosto. Mas, ainda mais que isso, gosto de saber o porquê dos meus gostos e dos meus desgostos. E aí é que reside a principal causa da minha estranheza atual. Coisa difícil.

Tenho a sensação de que gosto agora, de quem não devia gostar. Isto tendo em consideração, os desgostos que tive no passado. Isto é, gosto agora, de quem detestei no passado. Coisa estranha esta que me baralha.

E aqui, não quero entrar com sentimentos extremos, como são os de ódio ou de estimação. Porque considero que sou capaz de compreender quem é, em determinado momento, um vilão, e depois passa a ser uma vítima.

Quando equaciono a minha posição perante o vilão e perante a vítima, com separação de anos entre um e a outra, vou de imediato pender para a defesa da vítima, sobretudo porque começo a ver muitos vilões à volta.

Miguel Cadilhe falou de sacanas e velhacos que andam por aí. E disse que, para ele, andam acima de Passos e Costa. Sem entrar em contextos, estas palavras definem muito bem o que de há muito penso sobre o país.

País que até podia resolver o problema económico mas, para já, não se vê capacidade de quem o podia tentar, para tomar medidas e fazer reformas estruturais que se impõem. Por mais que falem os sacanas e os velhacos.

Sobretudo, porque cada vez mais se socorrem da sacanice e da velhacaria para atacarem e vexarem os seus adversários. E, com sacanas e velhacos, todos unidos, não é fácil construir, ou reconstruir, um país já em ruinas.