Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

04 Dez, 2016

É só uma cunha


Quase todos os dias oiço dizer que os amigos são para as ocasiões. E muito raras vezes terá havido ocasões mais propícias para que um verdadeiro amigo, faça pelo seu amigo, tudo o que for preciso para lhe mostrar o seu reconhecimento, além de carimbar o selo da amizade entre ambos.
O Pedro vive um daqueles momentos mais que chatos, mais desesperados até, que precisa mesmo de quem lhe valha urgentemente, sob pena de que o seu estado caminhe para um destino sem retorno. Parece-me pois, que só o seu amigo Paulo lhe pode valer nesta afronta que lhe rouba o sorriso e lhe dá um nervosismo super preocupante.
O Paulo disfruta agora de um lugar privilegiado numa grande construtora que costuma acolher grandes figuras do país. Não para trabalhar, mas para ensinar a não fazer nada. Portanto, o Paulo, está no lugar certo para chamar o Pedro para junto de si. Talvez para seu vice. Seria uma retribuição mais que justa de uma outra boa ação do Pedro.
Porém, por circunstâncias diversas, nem sempre se pode compensar tudo na justa medida. Assim, para o Pedro já seria bem bom se o Paulo lhe arranjasse um trabalhinho suave, do tipo daqueles cargos em que se fala muito mas não se sua absolutamente nada. Por exemplo, encarregado de obras, ou criador de projetos que evitem colapsos da empresa.
Há lugares em que o Paulo nunca colocaria o Pedro. Na área financeira onde tivesse que lidar com os impostos dos trabalhadores, ou na área da elaboração de orçamentos. Já para não falar na tesouraria, pois a empresa corria o risco de ver voar todo o conteúdo dos cofres para os amigos e companheiros.
Obviamente que o Paulo nunca beneficiou nada disso enquanto esteve com o Pedro no passado. Mas viu como se foge do fisco, como os amigos se amanharam e como todos os orçamentos falharam. Daí que todo o seu interesse em ajudar o Pedro nesta emergência, esteja sujeito a restrições de vária ordem.
Contudo, também não ofereceria ao Pedro um lugar em que tivesse de trabalhar de sol a sol, de pá e picareta em punho, ou de picareta pneumática de auscultadores e capacete protetores dos ouvidos e da cabeça, esburacando por todo o lado. O Paulo sabe perfeitamente que nunca lhe foi dado semelhante trabalho.
Mas, quando a amizade é muita e muito forte, quase sempre basta uma simples cunha para alguém lá de cima. E nisso, o Paulo é exímio. Daí que o Pedro, se assim o desejar, o Paulo lá terá qualquer coisa para lhe oferecer. Mas terá de ser rápido. A situação é gravíssima.