Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

26 Nov, 2016

Em Castelo Branco


'Ò Castelo Branco, Ò Castelo Branco, mirando o cimo da serra', não foi esta música de Arlindo de Carvalho que Pedro Coelho foi cantar a esta cidade, no dia em que ´festejava' o seu primeiro aninho de líder da oposição.
Vá lá, vá lá, que ainda é lider de qualquer coisa, depois de ter sido líder do pior governo que Portugal já teve (a avaliação é da minha responsabilidade).
Em boa verdade não fui feliz nesses quatro anos, mesmo tendo em conta que a cantiga acima referida diz que 'quem nasceu lá, em Castelo Branco, não é feliz noutra terra'. A verdade é que eu não fui feliz em terra nenhuma nesses tais quatro anos de Coelho. E hoje, com Coelho em Castelo Branco a vender postas de pescada, pescada há muito tempo, senti-me infeliz só de pensar nele e no que ele ali veio dizer.
Um Coelho no 'coração da Beira' não é propriamente a prenda pré natalícia mais desejada pelos albicastrenses que veem que 'a azeitona já está preta' mas não gostam de quem vem para cá 'armar aos tordos'. Sobretudo, quem nem sequer tem jeito para armar a coisa nenhuma, muito menos para manusear armadilhas de muito mau gosto.
Por muitas vezes que Coelho venha a Castelo Branco, nunca aprenderá que aqui, é uma terra de gente que, na sua grande maioria, vive as suas canções, cantadas pelos seus filhos, com o tradicional espírito do coração da Beira, purificado pelos ares das serras e enrijado pelo granito que as rodeia.
É evidente que Coelho não é 'bem rijo e moreno' para se sentir feliz, nos dias de hoje, na sua terra, em qualquer terra, mesmo em Castelo Branco, onde hoje esbracejou mais que o normal. As duas mãos paralelas, não pararam. Para a esquerda, para a direita, ao centro, sempre paralelas, como se elas pudessem garantir a verdade das suas palavras quase massacradas.
Hoje, 26 de Novembro de 2016, comemora-se o primeiro ano da responsabilidade de um governo que ressuscitou a esperança dos portugueses num novo ciclo. Apesar de quem barafusta por ter de pensar que já lá vai um ano em que se viu arredado daquilo que tanto adorava. E, como ainda custa agora, lembrar esse ano maldito.
Da minha parte, com muita consideração, daqui lhe desejo que daqui a mais um ano, esteja tão feliz como esteve neste dia 26/11/16. E que não se esqueça de comemorar, mas comemorar de alma e coração.
(