Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

12 Set, 2015

'EU NÃO MINTO'

 

Esta foi uma afirmação de Costa dirigida a Coelho no tal debate que devia ser a primeira volta das legislativas, mas já não é. Faltava então muito pouco tempo para a ida às urnas, mas agora falta ainda uma eternidade.

Não me lembro de ter visto ou ouvido qualquer referência a, ‘eu não minto’, bem elucidativa do comportamento e do posicionamento dos dois candidatos. Costa classificou-se e Coelho engoliu em seco e em silêncio.

‘Eu não minto’, foi talvez a frase mais esclarecedora que se podia ouvir, naquela noite de quarta-feira. Mas ninguém lhe ligou nenhuma. Preferiram as saudades de Coelho pelo seu incondicional e puro amigo.

Preferiram também aquela oportunidade que Costa ofereceu a Coelho para este ir a casa de Sócrates debater com ele. Podia assim confirmar que estava na hora de Sócrates Pinóquio, passar o nariz ao Pinóquio Coelho.  

Este cetro de maior narigudo podia realmente ser muito importante se o morador daquela casa, que parece já ter sido escola e fábrica, tivesse ainda alguma coisa a ver com ensino ou empresas, como tem este Coelho.

É que hoje, Coelho demonstra ter uma escola muito anterior àquela casa e uma experiência em gestão governamental e empresarial que ofusca a lenda daquela casa escondida, tão escondida que até parece uma toca.

Não é explicável como pôde Sócrates ter acesso àquele luxo de casa, quando ele nunca devia ter outra residência que não fosse um pardieiro num daqueles antigos bairros de lata. Mesmo quando primeiro-ministro.

Ou não tivesse sido essa, a situação por que passaram, e ainda passam, todos os grandes patriotas do PSD e do CDS, que tanto têm servido o país. Afinal, os palácios sempre deviam ter sido habitados pelos sem-abrigo.

Não sei o que aconteceria se Costa aprendesse a mentir como Coelho. Então sim, Costa nesta altura da campanha, já teria o governo de mão beijada. Ninguém pensaria já em eleições. Cavaco já as teria cancelado.

Costa disse apenas que não mentia. Mesmo com documentos na mão de Costa, Coelho continuou a mentir. E os seus amigos criticaram os papéis na campanha. Para os mentirosos, vale mentir, mas não vale desmentir.