Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

afonsonunes

afonsonunes

30 Mai, 2015

EXPRESSAMENTE

 

O semanário que já foi uma referência de bom jornalismo, um exemplo de liberdade e de isenção, publicou hoje uma foto na sua primeira página que me fez compará-lo ao pior do muito mau que se publica hoje por aí.

As pessoas, todas as pessoas, têm direito a um mínimo de dignidade, seja qual for a sua situação social. Até os reclusos têm direito a serem tratados de forma digna, por toda a gente, sejam quais forem os delitos cometidos.

Até os ocupantes do corredor da morte merecem ser tratados como gente e não como símbolos do escárnio dos cobardes. Tal como os condenados que se encontram à mercê de uma prévia condenação pública fabricada.                        

Infelizmente, já não há nada de surpreendente, ver como a comunicação social vai ficando cada vez mais pobre. A continuar assim por muito mais tempo, não se sabe como é que isto vai terminar. Bem, por certo, não é.

O autor da publicação do artigo e da foto em causa, não terá agido por mera iniciativa própria, ou obedecendo apenas à satisfação dos seus desejos impróprios. A ser assim, na minha opinião, não merecia estar ali.

Será que ele teria a mesma coragem de publicar uma foto assim, de Pinto Balsemão? Ou de Cavaco, Passos ou Portas? Ou mesmo de qualquer um dos muitos condenados a prisão e ligados ao PSD? Não o creio. Não teria.

Falo nesses, não como sendo melhores ou piores que o visado, mas como pessoas, só e apenas como pessoas, pois nessa qualidade, não há como inventar motivos para que lhes sejam atribuídas diferenças. São iguais.

Há uma certa espécie de coragem de indivíduos que não sabem ter mão nos seus instintos. E há, acima deles, uns chefes corajosos que se permitem aceitar coisas dessas. E, ainda mais acima, há os donos de tudo.  

Contem tudo, publiquem tudo, mas não têm o direito de pulverizar, manchar, borrifar ou vomitar, mesmo em cima de uma simples foto. Façam isso às vossas fotos pessoais, se não conseguirem vencer esse vício.

1 comentário

Comentar post