Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

15 Jul, 2014

FACÍLIMO

 

 

O país está cheio de pessoas que não fazem nada. Umas porque não querem trabalhar, outras porque não conseguem que as deixem trabalhar. Mas, há sempre uma maneira de fazer qualquer coisa.

É tudo uma questão de vontade, e se esta for boa, então o problema está quase resolvido. Não se pode é querer fazer só aquilo que nos apetece. Ter um emprego é uma coisa e trabalhar em casa, é outra.

Por exemplo, há pessoas que até se dão ao capricho de não querer fazer filhos. Ou então não se dão ao trabalho de os fazer. E anda o país preocupadíssimo com uma coisa que é facílima de resolver.

É muito mais fácil fazer filhos que arranjar trabalho. No entanto, até parece que é o contrário. Depois, desculpam-se que não têm condições. Falta-lhes o ordenado. Mas também não pagam impostos.

Tudo desculpas de preguiçosos. O estado ajuda em tudo, menos a fazê-los. Eu concordo que os desempregados têm todas as condições para fazer filhos. Têm tempo, têm incentivos e têm preciosas ajudas.

Roupas usadas em qualquer lado, alimentos nas cantinas e nas misericórdias, além de lhes tratarem da saúde quando menos esperam. Há gente que até rouba filhos aos outros. Mas não os faz.

Lá virá o tempo em que o estado terá de arranjar fábricas para o efeito. Mas com a condição de não criar emprego definitivo. Quando muito, alguns estagiários, ou biscates de voluntários por turnos.  

Contudo, há duas coisas em que não acredito. É dizer que se baixam impostos a quem já os não paga. É pensar que se fazem filhos com esmolas que vão cair em quem não precisa delas. No resto, acredito.

Espera-se que o governo não caia na tentação de dar trabalho estável e bem remunerado a toda a gente. Assim, adeus natalidade. Com tanto e bom trabalho assegurado, não há tempo para fazer filhos.