Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

06 Abr, 2014

FILHO

 

 

Filho de peixe sabe nadar, viva ele onde viver, no mar, no rio ou no aquário, com escamas ou sem elas, com asas ou com barbatanas. E para viver, não precisa que, quem o desovou, carregue com ele ao colo. 

Já os humanos não são assim. Filho de empresário, tem de ser empresário, a não ser que o pai consiga metê-lo no partido em que sempre militou. Com um empurrãozinho, depressa chegará a deputado. Depois se verá.

Do mesmo modo, filho de artista (ator, cantor, equilibrista), tem de ser artista. O pai lá se encarregará de tratar do assunto, pois ninguém melhor que ele conhece as reais virtudes do seu rebento. Para o sucesso.

Ser banqueiro, jornalista, futebolista, ou de qualquer outra profissão de nomeada, é coisa que não custa nada. Os dotes não se herdam, mas as heranças sim, valem vidas que nunca estarão ao alcance de todos.

Agora o que não falha, é filho de político ter a sina de ser político. Pode ter mil e uma ocupações extra. Mas todas derivadas. Todas com uma ligação direta ou indireta, àquilo que lhes ensinaram de pequeninos lá em casa.

Pois, eu sei que isso não é bem assim. Claro que não. É para isso que há exceções. Há banqueiros que não depositam, só retiram. Há jornalistas que não escrevem, só ditam. Há futebolistas que não jogam, só rasteiram.

Agora bom, mesmo bom, é ser político. Até eu gostava de ser político. E jornalista também. Tinha a certeza de ser bom, desde que fosse as duas coisas ao mesmo tempo. Assim, não fazia figuras tristes, comigo próprio.