Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

20 Nov, 2014

Filhos

 

É preciso fazer filhos com toda a urgência, para que o país não seja cada vez mais um amontoado de idosos, para os quais há cada vez menos possibilidades de tratamento e manter saudáveis, por causa dos remédios.

Também é preciso fazer muitos filhos para que os papás e as mamãs tenham muitos descontos nos impostos. Mas, atenção aos que abusam, sem terem rendimentos para abater aos impostos que não pagam.

E, muita atenção também, ainda falta resolver o problema dos casais que querem ter filhos, mas não podem, por não terem emprego. Alguém tem de resolver o imbróglio das ajudas, para que possam ter os seus filhos.

Esta é a conversa dos que falam muito de défice de natalidade e das medidas a tomar para resolver esta situação que tende a agravar-se de dia para dia. Mas, de conversa estamos nós cheios e das suas contradições.

Vai sendo cada vez mais frequente ver notícias que são uma completa aberração em confronto com o verdadeiro flagelo da falta de natalidade. Agora tocou a candidatas a médicas do SNS. Lá veio a pergunta imbecil.

Nem mais nem menos que, se pretendem engravidar. Isto é guerra à natalidade por parte de representantes do Estado. Do mesmo Estado que se propagandeia como o campeão da proteção à família e dos seus filhos.

Sempre a mulher a ser violentada com esta situação. Já agora, por que não fazem a mesma pergunta a candidatos homens? São eles que fazem os filhos às mulheres e que também têm licenças para tratar dos bebés.

Mas, porquê esta barbaridade de querer impedir o mais humano dos direitos: a procriação. Onde está a razão e a moralidade desta gente para se mostrar tão religiosamente amiga e defensora extremada da família.

Dessa família que tem filhos colocados nas altas esferas do estado, que permitem que os seus pais ou avós, fiquem em risco de morrer, porque os medicamentos são demasiado caros para os curar. São filhos de quem?

Haja decoro com tal noção de família. Hoje, só há duas espécies de famílias. As famílias dos poderosos bem instalados e as famílias políticas que tudo lhes proporcionam. O que resta são pagantes dos seus egoísmos.