Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

18 Jan, 2014

G...AGO, EU?

 

 

Há muita gente que só gagueja quando lhe interessa. Ou quando quer, mesmo que seja só para brincar. É o meu caso. Porém, hoje não me apetece gaguejar. Até porque gaguejar a brincar, não tem graça nenhuma.  

Passos, quer repetir a mentira original, a mesma de sempre quando está para ir a votos. A repetição do argumento que o levou ao poder. Passos, devia esquecer o PS de vez. Ou correr de imediato para os braços dele.

Vá lá, assuma que sempre quis fazer o contrário do que o PS propõe e destruir tudo o que foi bem feito. Que também houve. Foi, e é, a vontade da garotada do partido, o seu maior apoio. Que não é social-democrata.

Nem tão pouco outra coisa qualquer. Que olhe à sua volta e veja com quem pode contar. Assuma que, neste momento, que já é de desespero, apenas quer uma muleta de salvação. Apesar de tudo estar a correr bem.

Como é uma espécie de ditador com linguagem de democrata em saldo, siga o seu caminho e deixe os seus adversários fazerem o seu trabalho, que é também a sua obrigação. O tempo de um só rebanho já lá vai.

O país precisa de ter uma boa oposição, que não tem tido, e não ser um sacristão na missa das suas vigarices. O país até pode tirar a cabeça do lodo do poço em que o lançou. Mas o cheiro a lodo não mais se esquece.

Isto, só se Bruxelas autorizar que se possa respirar fora do lodo. Mesmo assim, o país não esquecerá ‘jamais´, ‘em franciú’, o terror que está a passar e do qual não vislumbra uma saída. Que não seja sempre a piorar.

A menos que o seu parceiro tenha um rebate de consciência e desista de o acompanhar nesse mergulho sem retorno. É uma hipótese que pode ser realidade a qualquer momento. Portas que se abrem também se fecham.

O que não quer dizer que um seja melhor que o outro. Mas, antes de este sufoco terminar, e ao contrário do que nos dizem, nada será pior que seguir por este túnel que dá para o terror que já estamos a sentir agora.

Pode ser que a época de saldos que aí vem, nos traga algo de novo. Isto se não for, entretanto, aprovada uma lei que proíba os saldos. Para evitar que o próprio governo se venda nas rebaixas. E po…por ho…je é tu…tudo.

Agora vou direitinho ao confessionário, ver se encontro um padre que me perdoe todos estes pecados. Depois, vou comungar, já que os governantes o não fazem. Porque não se confessam. São apenas cristãos de sacristia.