Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

13 Out, 2015

JUNTAR

 

Juntar algo ou alguém pode ser uma coisa muito difícil quando o que se pretende juntar é, por exemplo, água com azeite. Porém, não é menos difícil pretender separar essa água do azeite. Ou separar o trigo do joio.

São operações muito complexas. Agora, o país está a viver umas misturas explosivas, com muita gente pronta a acender o fósforo fatal. Só cá faltava o incendiário da hipocrisia, Durão Barroso e o incendiário pelado, Catroga.

Diz-se por aí que juntar socialistas, comunistas e bloquistas é muito mau. Pode vir a ser. Mas ainda não o é. Pelo contrário, juntar socialistas a vigaristas, já se viu que era o mesmo que dar o isqueiro a um incendiário.

O que já foi, não tem como ser negado. Já foi provado e é uma evidência. O que ainda não aconteceu, é uma incógnita. Ainda não foi provado, nem experimentado. Logo, de longe, é preferível optar por uma experiência.

Neste momento, também é muito difícil saber quem tem sido o maior inimigo do PS: se a coligação de direita, se o PC e o Bloco. Só que, a coligação, neste momento, só pretende dar ao PS, a língua da víbora.

Costa tem na sua mão, a oportunidade que não pediu, nem lhe foi oferecida numa bandeja, de tomar uma decisão difícil que, para ele, pode não o ser. A única saída airosa que tem, é sair vitorioso desta situação.

E essa hipótese, só a pode conseguir com a esquerda e nunca com a direita. Com a direita o fracasso está garantido. Com a esquerda, o sucesso não é seguro, mas é possível. Tentar viver, é melhor que morrer.

Quanto a rejeições dentro do próprio PS, também não haverá dúvidas de que é preferível perder algumas ovelhas, que perder o rebanho todo. Os exemplos do fracasso dos partidos socialistas europeus, são bem claros.

Mas, que fique bem claro que esta direita e a sua Europa, também não vai ter muito mais tempo de vida. Veja-se como a Alemanha, dominadora e inquestionável, está a perder gás. E quando o gigante cai, os pigmeus…

Se a esquerda moderada e razoável não crescer, a outra esquerda e a pior direita, tornarão o mundo ingovernável. Está à vista que é por aí que esta direita atual, está a encaminhar as suas desastradas e perigosas opções.

Desta situação a que se chegou, resulta bem claro que, se no lugar de Costa estivesse Seguro, a coligação já teria a data de posse do seu governo marcada. Assim, ainda vai ao Rato, a ver se desarma a última ratoeira.