Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

afonsonunes

afonsonunes

04 Nov, 2017

Mãos à obra


Descontentamentos sobre descontentamentos estão a deixar o governo de António Costa à beira de um ataque de nervos. Realmente, na boca dos descontentes, já nada lhe sai bem, se é que alguma vez, ou alguma coisa, se pode considerar sequer aceitável. Estou em crer que Costa já só pensa no Hugo Soares.

É verdade, António Costa chegou a ter muitos suores frios com o temível Montenegro. Chegou a assustar-se com o grandalhão Amorim, tentou bater no Passos e no Portas, mas recuou. Quase se deixou seduzir por Cristas, mas fechou os olhos a tempo. Caíu na real e virou-se de vez para a Catarina e para a Heloisa.

Para os descontentes, Marcelo está, finalmente, a meter António Costa pelas ruas da amargura e a dar um sinalzinho de que pode vir a fazer qualquer coisinha que dê alento aos descontentes, para que deixem esta trabalheira de ter de arranjar novos termos, todos os dias, para que a vida do primeiro-ministro se torne num inferno.

Ao que parece, Costa não está a levar a sério esse dantesco inferno, o que ainda mais o penaliza, pensando talvez não haver por lá um diabo visível ou invisível. A verdade, porém, é que Costa tem mesmo o diabo à perna, tendo diariamente de escapar às arremetidas dos da direita e dos seus apoiantes mais à esquerda.

Bom, por tudo isto e mais aquilo que eu não quero adiantar, o país tem de mudar de rumo, se não quer ver-se precipitado no mais terrível dos abismos. Obviamente que mudar de rumo com quem está, não faz mesmo sentido nenhum. Mudar, é tirar o Costa e por no seu lugar, não o Passos que já não anda, mas o seu sucessor.

Então, vamos lá meter as mãos na massa. Bem lavadinhas previamente. O sucessor de Passos tem de comprometer-se a seguir religiosamente os rumos que Marcelo for definindo nas suas visitas diárias ao país. Ponto final. Portanto, não haverá programa de governo, logo, não haverá aprovação do mesmo na AR. 

Apesar de não haver necessidade de maioria na AR, Jerónimo de Sousa, com muitas saudades dos tempos em que a sua direita pontuava no hemiciclo, transfere-se para a outra banda, a troco da satisfação de todas as suas propostas e obrigando-se a condenar todas as iniciativas de direita do PS, ou seja, todas elas.

Esta nova aliança, PSD, PCP, CDS, ficará obrigada a não ter a mínima discordância, sob pena de se tornar na balbúrdia da atual maioria, PS, BE e PCP de tão má memória. O PSD e o CDS comprometem-se a modificar a sua conduta verbal, excluindo o PCP, definitivamente, da geringonça, agora em vias de extinção.

Finalmente, Marcelo não promete nada à nova geringonça, pois nunca se sabe o que acontecerá ao PS e ao BE, caso decidam que o atual PR pode vir a ter as mesmas pretensões do anterior PR e acontecer-lhe o mesmo que ao outro, no fim do seu mandato. Ninguém diga que desta água não beberá. Mas, mãos à obra.

Parvoice? Pois, é só mais uma entre tantas que andam por aí a circular. E esta pode nem ser das maiores.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.