Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

Não sei porquê, mas apetece-me dizer, olhai os lírios do campo. Não é que o Marceladas ou mesmo o Varoufacadas tenham alguma coisa a ver com o campo. Pelo contrário, estão ambos entre os mitos urbanos de estimação.

Encontro neles um bom motivo para os considerar uns belos lírios, embora cada um à sua maneira. E cada um deles, com os seus arremedos de deixar os incautos à beira de um ataque de vírus de alta perigosidade.

As Marceladas surgem nas noites imperdíveis de domingos à noite na TVI e destinam-se a dar táticas de Pedradas, Passadas e Coelhadas, sempre que há dificuldades em fazer passar as piores asneiradas. Em doses certas.

Por exemplo, acertar o que se deve e não deve falar em S. Bento e aquilo que está interdito falar em público. Por exemplo, agora, não se pode falar na Caixa. Já não se podia falar de tanta coisa. Tipo bancos e banqueiros…

As Marceladas ocupam-se ainda com irrepreensível clareza das ralações e interesses entre Belém e S. Bento, questões sempre tratadas com aquela lisura que põe os portugueses a salvo de qualquer manobra perigosa.

Manobras boas são aquelas que nos chegam de Atenas, pela onda de Varoufacadas que nos dizem que a Espanha está no rasto da Grécia. Ainda bem que já nos safemos dessa rota. Agora, já não somos a Espanha.

Tempos houve em que não éramos a Grécia, depois estivemos à beira de o ser, fomos a Irlanda, mas já não somos. Enfim, tudo Varoufacadas. Desconfio que elas estão a confundir Espanha com a Península Ibérica.

Vou mesmo mais longe nas minhas infundadas desconfianças. As Varoufacadas ignoram as Pedradas, as Passadas e as Coelhadas, que em tempos atingiram a Grécia, embora recheadas de intenções apiedadas.

Tendo em conta o interesse manifestado pelas próximas eleições de quatro de outubro, tanto pelas Marceladas como pelas Varoufacadas, seriam de extrema utilidade ações conjuntas de campanha na isenta TVI.

Especialmente debates, debates a sério, com os especialistas Marcelo, Varoufaquis, Passos, Portas e umas ligações em direto a Belém. Só assim se resolveria a ‘chachada’ que é a confusão entre batatada e laranjada.