Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

A menos que a queiram espremer de vez, senão até a casca acaba por secar. O sumo vai-se, ou já se foi, e a vitamina C evapora-se como fumo. A vitamina C, de Coelho, já deu o que tinha dar e agora outra se levanta.

Não adianta querer trocar os corruptos caseiros, que são cada vez mais e cada vez mais altos, por um ou dois de substituição. Finalmente, a justiça parece ter acertado a agulha da bússola na direção certa. Já se nota.

À mulher de laranja não basta dizer que é doce. Tem de mostrar que o é de facto. Também não basta repetir que há rosas corruptos. É preciso demonstrar que o são. E não basta escrever umas cartas semianónimas.

Já o disse aqui muitas vezes e desde há muito tempo. O tempo clarifica tudo, mesmo quando parece que tudo já está claro. Mas está quase. Portanto, não adianta insistir no mesmo erro. Mentir só complica.

Esta situação faz-me lembrar aquele joguinho de crianças: o quente e o frio. Agora, tudo indica que a justiça deixou o frio para se aproximar do quente, quente, cada vez mais quente. Vamos esperar pelo que escalda.

Mesmo assim, continua a haver quem fala apenas de Sócrates e de Costa, como se a corrupção andasse só por aí. Só acredito no que vejo. E daí não vejo mais que conversa. Conversa que só está a afundar a direita a pique.

Por mais que os seus arautos e seguidores se esforcem por lutar contra as ondas que os submergem. Bastaria olhar para a realidade que, de dia para dia, é cada vez mais evidente. Os ditos corruptos sobem e eles descem.

Sabemos como é difícil emendar a mão depois de tanto terem metido o pé. Mas, a continuarem por este caminho, só encontrarão um beco sem saída. É notório que muitos já pararam para pensar, outros nem pensam.

A verdade não é o que cada um quer. A verdade nem sempre é o que nos querem vender. Sobretudo, os que nos querem vender ilusões de truques mais que desmascarados. Não nos queiram vender mais limões azedos.

Tempos houve em que, às vergonhas escandalosas, se sucediam demissões dos envergonhados ou desenvergonhados. Hoje, já nem vergonha há. Mesmo os que se querem demitir, logo ficam proibidos.

Há partidos que têm apenas alguns corruptos. Longe do que se diz. Porque corruptos há em todo o lado. Mas muito mais preocupante, são os partidos, ou o governo, em que parece que já poucos escapam a esse mal.