Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

16 Fev, 2015

NÃO ESTÁ CERTO

 

Embora estejamos em pleno carnaval, daí que ninguém leve a mal, tenho para comigo que isso não justifica as injustiças que aparecem nos corsos. Todas as figuras públicas têm o mesmo direito a aparecer nas palhaçadas.

Mas não é isso que acontece. É certo que se vê por lá o Passos e o Portas. O Cavaco nem por isso, não percebo porquê. Será que os dois governantes são mais importantes que o presidente? Quando muito, são os três iguais.

Refiro-me à importância em termos de interesse atribuído a cada um deles no seu aparecimento público. Ou seja, o gosto que os portugueses terão em vê-los nestes festejos. Sim, porque fora das festas não são vistos.

Por exemplo, não está certo que apareça o Sócrates, um homem que está fora de circulação. Será que o consideram importante? Parece-me que muito mais importante seria apresentarem um juiz e um procurador.

Se o carnaval serve para mostrar as grandes figuras que se distinguiram ao longo do ano, as omissões são intoleráveis. Os responsáveis por elas deviam ir dentro preventivamente até se descobrir a sua origem e fins.

Qualquer dia o carnaval acaba desacreditado. Vamos lá supor que nos corsos aparecem só pessoas desinteressantes como o Maduro ou Marco Costa. Seria o mesmo que voltar ao tempo em que só se viam carroças.

Outro tipo de pessoas interessantes, que lamentavelmente não aparecem, como a Maria Luís, a Assunção Cristas e Paula Teixeira da Cruz, constituem ausências só suplantadas pelas incoerências e injustiças do governo delas.

Ao menos nos festejos do carnaval, que se evitem as situações que são o pão nosso de cada dia. Senão, lá virá o tempo em que vale sempre tudo, exceto nos corsos desta época. Ninguém pode nem deve ser discriminado.

Receio eu, e os portugueses também, que o carnaval acabe nas ruas e passe para o interior das prisões. Isto, claro, quando todas as pessoas importantes estiverem lá dentro e nas ruas apenas se veja pelintrice.