Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

18 Mai, 2016

Novas lutas

 

Tudo está a mudar neste mundo que roda à velocidade de um pião acabado de lançar ao chão. Desde há muito tempo que se mudam os tempos e com eles as vontades. Já para não falar nos desejos mais caros.

Desde há séculos atrás que as lutas não guerreiras se têm travado por iniciativa das classes mais desfavorecidas da sociedade, contra as classes que a dominam. E contra os governos que esquecem os seus direitos.

Ora nos tempos que decorrem, em Portugal, está a verificar-se esta coisa extraordinária: as lutas mais acirradas do momento, envolvem as classes mais dominadoras contra o estado e contra as classes trabalhadoras.

Parece até que há uma vontade maioritária de serem as classes sociais mais baixas a proteger o governo das lutas e investidas das classes mais abastadas, agora as mais reivindicativas, em defesa dos seus privilégios.

Normalmente, assistia-se às lutas das esquerdas contra a direita, ou de quem como ela, atacasse os interesses dos trabalhadores. Agora é a direita que luta fervorosamente contra o governo que lhe retira poderes.

Assistimos à luta dos colégios contra as escolas. É a luta do privado contra o público. A luta do vale tudo contra a Constituição. A luta da substituição gradual da escola pública pelos colégios privados. Do lucro pela razão.

Ambos podem e devem coabitar. Mas nada de confusões. Se a escola pública não pode ser sustentada pelos colégios privados, muito menos a escola pública deve sustentar esses colégios privados. É disto que se trata.

Pois os privados, com o dinheiro do estado, criam condições que o estado não dá à escola pública. Resultado, o privado cresce, o público definha. E no privado, há grandes grupos económicos a acumular lucros fabulosos.

Não posso deixar de citar outra luta interessante. A da grande Teodora que não se cala com as contas do estado. Segundo ela, há um mistério que não consegue deslindar, pois sonha com milhões que andam escondidos.

No meu modesto entender, a grande Teodora, tem como missão saber decifrar todos os números do orçamento. E não ter dúvidas sobre eles. Deve saber descobrir o que está escondido. Se tem dúvidas, trabalhe.

Deve dizer claramente o que está certo ou errado. Andar a lutar com dúvidas, é como lutar contra moinhos de vento. E para essa luta, parece-me que já lhe faltam forças. Tal como a todos os companheiros de luta.