Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

10 Ago, 2018

O diabo 2


O encenador do drama, O diabo que tinha de vir, e acabou mesmo por vir, já está fora de cena há uns tempitos, mas deixou por aí, espalhados pelo país, uma catrefa de diabretes que em nada ficam a dever ao seu ideólogo e dramático novel catedrático, agora remetido a um silêncio que é fundamental para manter o seu novo empenho.

Já os seus continuadores não se calam com as consequências desse terrível acontecimento, nem vão calar-se com as consequências de O diabo 2, que acaba de ser controlado com muitas dificuldades de toda a ordem. Para os diabretes, foi mais um período de espetativas de que O didabo 1, se repetisse e durasse quanto mais tempo melhor.

Já se perfilam em diversas 'bichas' de espera, por especialidades, para passarem ao ataque cerrado a tudo e a todos, especialmente àqueles que lhes ferem a vista e contra os quais disparam chispas de fogo e de incontido ódio, à falta de melhores e mais razoáveis motivos e oportunidades.

Não sei se a tal Comissão Independente já se apercebeu de que houve então, como agora, em Portugal, como em países bem mais poderosos em termos de meios e recursos, circunstâncias que foram, e continuam a ser, forças da Natureza que nitidamente cada vez mais demonstram a impotência humana de se lhes sobrepor em tempo útil.

Também não sei se a impetuosidade de Marcelo, aliada à corrida frenética à solidariedade verbal e afetuosa do ano passado e continuada até chegar o drama de Monchique, também não sei, repito, se essa impetuosidade vai continuar na mesma dose, ou se vai moderar-se como já deu sinais de tal acontecer.

Porém, sei de certeza, que todos os sinais dos tempos indicam que esses fenómenos não só se vão repetir, como irão sendo cada vez mais de maior dificuldade em serem dominados. Parece que já muita gente acordou para essa realidade. E para o facto de não ser possível o país mudar estruturalmente, em múltiplos aspetos, e também socialmente, a tempo de evitar mais catástrofes desse género.

Assim, que nos dispensem os críticos acérrimos de que tudo é mal feito, sabendo nós que eles não sabem do que falam. E muitos deles, os mais 'desiruditos', que foram grandes responsáveis por muito do que está a acontecer, devido às más opções e disparates que cometeram quando lhes coube tomar decisões cujos resultados estamos hoje a pagar.

Que ninguém se esqueça que em outubro passado, só no pior dia de atuação de O diabo 1, a energia térmica libertada, segundo um entendido na matéria, foi igual à de 142 bombas atómicas...

Fácil é entender que no pior dia do diabo 2, essa energia libertada foi superior a 142 bombas atómicas...