Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

afonsonunes

afonsonunes

27 Mai, 2014

O VAI VEM DE COSTA

 

 

António Costa sabe, provavelmente, que é muito difícil tirar a liderança do PS a Seguro. Como toda a gente sabe, Seguro, de há muito tempo que passa a vida a correr para as federações do partido.

Em termos de decisão nas diretas, é aí que está a chave da eleição do Secretário-Geral. Ora, António Costa não anda na política a ver passar navios no Tejo. Portanto, não vai propriamente em avanços e recuos.

A direita faz o seu jogo de avaliação destas movimentações, porque tem a noção correta de que Seguro é, em grande parte, o seguro de vida da coligação no poder. Diz-se até que há um acordo para 2015.

A verdade é que, Costa, na outra vez que abanou Seguro, conseguiu que muita coisa mudasse nos seus procedimentos. Mas, Costa entende, e não está sozinho, que há coisas que precisam mudar mais.

É quase certo que Costa não vai tentar tirar-lhe o lugar. Mas vai, com certeza, chamá-lo à realidade, através da disponibilidade manifestada para o substituir. Estar disponível, não quer dizer ir para a guerra.

E a guerra tem de ser travada entre o PS e a coligação, em termos muito diferentes desta morna troca de mimos entre as duas partes. O país está farto destes jogos de hipocrisia que só os diminuem.

Guerra que tem de, definitivamente, trazer para a praça pública as reais opções políticas, claras e concretas, de ambas as partes. Só assim, os portugueses poderão voltar a ter interesse em escolher.

Mas, em escolher entre os dois mais votados e que têm possibilidade de governar. Qualquer arranjo de entendimento entre ambos, estará sempre votado ao fracasso. E os outros não passam de vozes.

Costa tem outro estofo político que não tem Seguro. E não é por este ter começado agora a falar grosso que aumentou a sua eficácia. Nem há sinais de que possa vir a aumentá-la para as legislativas.

E o melhor sinal é que a coligação festejou de mão em frente da boca, o enorme fracasso que teve. E, à boca pequena, já festeja o sucesso que julga que vai ter. Mas ainda há muita coisa para ver.

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.