Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

12 Fev, 2016

Obrigado, amigos!

 

Ainda não há muitos meses os portugueses eram diariamente exortados a unirem-se em torno dos superiores interesses do país para que a tão dura crise fosse superada. Não houve união e a crise está longe de ter um fim.

Os ´grandes amigos do país’, internos e externos, esses estavam felizes com o modo como decorriam as coisas no sentido de haver um esforço hercúleo dos portugueses. O tempo disse que esse esforço foi em vão.

Hoje, esses amigos do país, lamentam que as novas políticas tenham grandes riscos, receiam que o país volte atrás, temem que sejam necessários mais esforços. A pena que eles têm do país e dos portugueses.

Ou a grande saudade que eles têm do tempo em que a austeridade não era coisa que lhes tirasse o sono. Agora, o que lhes dá insónias, é o facto de se sentirem ameaçados com o reforço do estado social. Pago por eles…

Os amigos de fora, defendem com unhas e dentes os seus velhos amigos. Os amigos de dentro defendem os seus enormes interesses. Enormes e ao arrepio de todos aqueles que tanto diziam defender. Caiu a máscara.

É arrepiante ver como continuam a usar de toda a imbecilidade para tentar manter a ideia de que são eles os verdadeiros garantes da prosperidade do país. Como se o país tivesse lucrado algo com eles.

É altura de ficar bem claro quem é que sempre quis e continua a querer austeridade para que o país empobreça até à miséria. Quem é que sempre quis e continua a querer ajudas externas que todos paguem menos eles.

Fica bem claro e de vez, que tipo de união eles queriam. É aquela união que eles querem, mas em torno de si próprios. É a união a que eles apelam, até para o exterior, para que se amedrontem os portugueses.