Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

12 Out, 2014

OE, OLÁ SE É

 

O OE para 2015 foi aprovado esta madrugada. Provavelmente de braço no ar, democraticamente, como esta maioria costuma fazer em tudo. Aliás, bem elucidativa é uma foto de clãs, exibida no Sapo logo de manhã.

Suponho que ela revela uma parte significativa das dezoito horas de reunião que levaram a essa aprovação. Soube-se que houve intervalos para almoço e para jantar. Porém, eu suponho que houve outros.

Mas não suponho, só por supor. Gosto de demonstrar que não ando cá, só para dar palpites de ocasião. Retomo a análise da foto do Sapo. São os quatro protagonistas daquele retângulo que retratam o impasse da noite.

Portas, nitidamente com má cara, tem o olhar carregado em cima do telemóvel, como que passando para ele, o que lhe está no pensamento. A seu lado, Passos tem os dedos junto dos ponteiros do seu relógio de pulso.

No seu lado esquerdo, Maria Luís, de olhos fechados, parece passar pelas brasas. Atrás destes três, Moedas passa com ar de caso, olhando atentamente para ela. A foto parece muito expressiva para o momento.

Nenhum dos quatro está a falar, nem tão pouco com ar de quem está a escutar o que alguém diz. O momento parece ser de impasse. Como muitos outros que deve ter havido ao longo de dezoito horas de pausas.

Cá para mim, estas reuniões só conseguem aprovar alguma coisa, depois de todos eles estarem no estado de espírito que eu vejo na foto. Fartos de se ouvirem mutuamente e cansados de se olharem uns aos outros.

Admito estar redondamente enganado. Portas pode estar a tentar ligar lá para casa, dizendo que está tudo bem, mas vai chegar mais tarde. Passos pode estar a dizer que o seu relógio já está a dar horas para sair dali.

Maria Luís, pode estar a fazer contas de sumir, de olhos fechados como convém, ou a tirar a prova dos nove a essas contas, para não fazer cenas como as dos colegas Crato e Cruz. Ela não pede desculpas, como eles.

Nessa foto, Moedas vai em andamento mas já não leva a garrafinha de água na mão. Portas, já não tem garrafa nem copo junto a si. Passos e Maria Luís, ainda não meteram água, pois as suas garrafas estão cheias.

Parece-me um exercício de pura perda de tempo, a trabalheira de alguns analistas, jornalistas e outros observadores, ao descreverem aquilo através de longos e complicados textos. A foto é melhor que um desenho.