Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

06 Dez, 2014

OLHA A NOVIDADE

 

Jardim diz que vai deixar o bem bom e admite vir para o bem mau. Não encontro novidade alguma no facto de dizer que se vai embora, depois de tantas vezes o dizer, e depois ficar, sempre devido a coisas de última hora.

Não é de qualquer maneira que se deixa um bem bom de quase quarenta anos. Mas, o facto novíssimo de admitir que se vem meter no bem mau, o ‘contnente’, é algo que até eu gostava de ver. Era mais um espetáculo.

Quem sabe se a AR com ele, não ganhava uma nova dinâmica. E então, se porventura lá encontrasse Portas e Passos refugiados como ele, a coisa seria imperdível. Nem lá fazia falta Costa e os seus amigos da esquerda.

Mudando de agulha. Diz a imprensa que vai haver, ou já houve, novas buscas a cargo do juiz Carlos Alexandre. Olha a novidade. Tenho o receio, ou o medo, de que até eu, e não só, vou acabar rebuscado e escutado.

Quando me esqueço do lugar onde guardei qualquer coisa de que preciso depois, logo vem a minha patroa procurar se eu ando em busca da rolha. Como julga que eu sou procurador, logo me diz para procurar na garrafa.

Eu quero lá saber da garrafa e da rolha que ela tem. Eu quero é a minha rolha fora da boca. E essa, prevejo eu, só vai aparecer quando, quem me rolhou, concluir que eu sou mudo. Mas isso vai demorar muito tempo.

Volto a mudar de agulha. Passos disse que os donos do país estão a desaparecer. Essa é boa. É boa e tem direitos de autor. Mas então, o dono do país não é ele? Por vezes penso que já não regulo bem. Ou será ele?

Bom, a menos que ele, Passos, queira dizer que não é só ele. Dou-lhe o benefício da dúvida. Será Portas? Será Cavaco? Ou serão os três? Mas então, ‘penso eu de que’, andam por aí pensamentos muito trágicos.

Olha a novidade. Mas, agora a sério. Os donos do país a que ele se refere são os donos disto tudo. São os chineses e todos os que têm adquirido tudo isto, pelas mãos de uns sujeitos que já tardam em desaparecer.

Se acaso Passos estiver a insinuar que outros donos, que não ele e os seus próximos, estão a desaparecer, devia ter uma coisa que eu cá sei e ser claro e conciso. E deixar que também procurem o que se não sabe dele.