Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

29 Mai, 2016

Os amareis

 

Poderia ter escrito no título, ‘Os amarelos’, mas achei mais simpático utilizar um plural de amarelo diferente, para uma ocasião tão especial como aquela que se está a viver hoje, frente à AR. Esperemos que não haja batatada, como já houve ali em tantas outras ocasiões.

A organização do evento espera trinta e seis mil manifestantes. Atendendo a que os bispos portugueses apoiam a liberdade de escolha, é natural que muita gente vá dar para esse peditório. Alguns, convencidos de que vão dar uma ‘esmolinha´ ao movimento.

Já que o estado corta uns milhões nas escolas deles, ou nas dos seus amigos, os fiéis, sempre dispostos a ajudar boas causas, devem vestir essa camisola e levar a família toda até Lisboa. Quem não tiver carro próprio, alguém fará o favor de dar uma caridosa boleia.

É preciso que ninguém crente e perdido de amores pelo amarelo, não fique em casa. A organização não deixará que ninguém se arrependa de ter perdido um domingo, dia de descanso, mesmo que não tenha podido ir à missa, devido à grande deslocação. No entanto, levem a merenda.

Como normalmente se trata de gente simples, com poucos recursos, pode ser que venha a ser posteriormente compensada com alguns dos mimos que tanto atraem os filhos, netos, primos e primas que ali matriculam os seus parentes e os dos seus amigos.

Penso que será de louvar que a manifestação comece com uma fervorosa oração para que o governo oiça tudo o que ali se diz e termine com uma prece de ação de graças para que o regresso a casa seja o fim feliz de uma peregrinação em que a fé e os sacrifícios de tantos fieis não seja em vão.

Quanto aos organizadores, bispos e autores de pareceres favoráveis, têm fundadas esperanças de que o governo e o presidente assegurarão que não falte dinheiro para tudo o que pretendem. Aliás, como tem acontecido. Porque gastar não custa nada a quem nem tem que o pedir.