Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

17 Jan, 2017

Os três


Não quero dizer que temos só os três que me apetece trazer para aqui esta noite. Obviamente que temos muitos mais, mas não são todos iguais, nem tão pouco se pode depreender de que a ordem de importância e notoriedade são iguais em todos os momentos.
Começo pelo cada vez mais incompreendido Pedro Passos Coelho. O nome é pomposo e impressiona desde logo um número incerto de admiradores e muito mais de 'desanimadores' que efetivamente desanimaram nos tempos em que ele mexeu com as suas vidas.
Com a característica 'argumentância' desde que está na oposição e em medida crescente em termos de parvoice gestual, mereceu do camarada Jerónimo o elogio, quanto a mim bem merecido, de que Passos se enrolou a si próprio nesta questão da Taxa Social Única.
Ou muito me engano, ou o ferido Coelho, já não tem médico de família que o livre desse 'enrolanço'. Até porque já há quem diga que também deu um tiro certeiro no seu próprio pé. A ver vamos se, como até aqui, Costa não será o último a rir. Embora Costa não seja do tipo de se vangloriar muito com as derrotas que inflinge aos seus adversários políticos.
Já Assunção Cristas deu hoje mais um espetáculo de imaturidade ao atirar-se na AR ao PM em termos que nem só aquele rancorzinho incontido e de mau perder justificaria no debate de hoje. Sobretudo, mostrou que não sabe como as tecnologias de hoje, absorveram os sistemas tradicionais de informação.
Também hoje, a 'avózinha má' de nome Teodora, finalmente, deu-se por vencida ao reconhecer que o défice ia ficar abaixo dos 3%. Muito lhe deve ter custado renegar tudo o que andou a dizer mais de ano, sobretudo porque colocou a sua voz 'laranjista', acima da voz isenta e cautelosa que lhe competia emitir como responsável por um organismo público importante.
Finalmente, um aceno de simpatia para com todos aqueles que contribuiram com os seus xistosos ditos para que Mário Centeno caprichasse em mostrar-lhes que não é aquele incompetente, tipo certos governantes que não foram capazes de conseguir o mesmo sucesso em anos anteriores.