Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

 

Subitamente deu-me uma vontade enorme de ‘oscarar’, tudo porque ouvi uma Oscarinha a dissertar sobre filmes e óscares. Pela conversa vê-se, ou pressente-se logo que anda ali uma mãozinha do velho Oscarão Paulinho.

A técnica inconfundível do palavreado que adormece insónias e que leva a comunicação social a delirar, principalmente agora que julgava que as fontes desse domínio tinham secado. Não, ele ainda anda por aí vivinho.

Provavelmente ainda sonha com o óscar da ineficiência, materializado por uma ‘merdalha’ concedida a título de ausente por desnecessário. Essa cerimónia será abrilhantada pela presença decorativa da Oscarinha.

Oscarinha que já se sente na pele de realizadora dos mais enlevados filmes de engenhos e parvoíces aos quais, ela própria se atribui a autoria do enredo de um vulgar argumentista. Mas a Oscarina é ainda mais vulgar.

Toda a gente sabe que uma cópia nunca se confunde com um original. E então se entramos no mundo dos filmes… Filmes de todos os géneros: dramas, sonhos, comédias, pornográficos, subaquáticos… Com o Oscarão.

Oscarão e Oscarinha, inevitavelmente, vão continuar na senda dos grandes êxitos nacionais. Daí que seja um desejo irrevogável de ambos. Que seja um negócio da China. Com muitos milhões de ‘goldes viste-los’.   

Não tardará que tenhamos no país, mais filmes oscarados, que chineses vivem em Portugal. A ponto de Portugal se tornar a grande Merca do cinema mundial, onde, por consequência, os óscares serão caca de gato.

Estou mesmo a ver o filme que passou há pouco tempo, tendo como protagonistas, ou atores especiais, além do Oscarão e da Oscarinha, o conhecido Nuno Melro. Em lugar de óscares foram atribuidos miminhos.