Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

17 Mai, 2016

Parabéns!!!

 

Ando um pouco atrasado nestas coisas das obrigações sociais, mas, como diz o povo sério e dificilmente enganável, mais vale tarde que nunca. Daí que me sinta na obrigação de fazer a mesma justiça que outros já fizeram.

E, juro que não quero ser hipócrita, falando apenas da boca para fora. Falo, sim, da boca para dentro, isto é, desejando que ninguém me ouça, pois há coisas que custam muito a engolir. Mesmo ditas por nós próprios.

Mas, vá lá. Daqui endereço as minhas sinceras felicitações aos valentões do Sporting. Do nonagésimo ao centésimo, pois esses dez, mais ou menos, são, ou foram, os grandes heróis desta fantástica época quase desportiva.

Nomes para quê? Eles são mais que conhecidos, mais que adorados pelos novos do tri e velhos em paciência para aturar tontinhos. Mas isso é uma virtude que poucos têm. Até os tontinhos merecem ser compreendidos.

Vamos lá imaginar que eles, os dez (?) tontinhos, tinham tido muito juizinho. É consensual que, agora, eu não estaria a dar-lhes os parabéns pelo honroso título de vice-campeão, mas a lembrar os favores recebidos.

Talvez com alguma injustiça pois, os adversários do Sporting, a partir de certa altura, não jogavam contra adversários. Jogavam com uns amigos a quem não se podia barrar o caminho para um título que já tinha dono.

Assim como quem diz, já que nós não ganhamos, que ganhe quem nós queremos. Foi o caso de um Porto facilitador, mesmo com o melhor porteiro mundial, o herói da Luz, quando tudo podia ter ficado resolvido.

Mas foi também o caso de um jogo abaixo de Braga, em que havia tanto cansaço, que só faltou sentarem-se todos na relva fresquinha. Ou o caso dos Belenenses, impedidos de treinar e tomar banho dias antes do jogo.

Obviamente que isto não são jogos com resultados combinados como os que estão agora sob a alçada da PJ. São jogos descansados. São o oposto aos jogos do Benfica, onde tudo era levado ao extremo da luta de finais.

Daí os meus parabéns a estes atletas, treinadores e presidentes que tão seriamente encararam o desportivismo, o fair play, o saber ganhar e perder, o honrar os emblemas que representam. Sobretudo, o saber falar.