Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

10 Ago, 2015

PASSOS PUXA

 

Passos puxa agora mais que nunca por toda a sua capacidade natural para o engano. Que já lhe deu ótimos resultados ao longo dos felizes anos que leva de maquinações. E está convencido de que tudo vai ser como dantes.

Até pode vir a ser, pois andam estrelinhas no ar por todo o lado, ajudando a espalhar o engodo delicioso das suas façanhas governativas. Deixando para trás o seu passado de cinco estrelas que o nevoeiro cinzento ocultou.

Passos não pode puxar muito pelo brilho pessoal, mas sempre vai puxando pelo pagode, atribuindo-lhe méritos e encómios pela coragem de o terem aturado com tanta paciência, sacrifício e, claro, muita resiliência.

Passos puxa com tanta força pelo brilho de uma lua em noite de cerrada tempestade, que já vê descontração na sua relação com o povo que não quer ter relações de qualquer espécie com quem tanto o tem maltratado.

Os portugueses sabem perfeitamente o que é descontração e estupidez natural. Mas também sabem a quem devem atribuir tais honrosos predicados. E os portugueses também sabem a quem não dão estrelinhas.

É que as estrelas já não são o que eram. Já lá vai o tempo em que a grande estrela, o sol, fazia sorrir o planeta. Agora, o seu brilho parece um sorriso forçado vindo de graças nojentas, oriundas do palavrão e da mentira.

Cada um puxa por aquilo que domina, pois a mais não pode aspirar. Passos não pode puxar dos seus galões, como muita gente faz perante as suas limitações. Passos não tem galões. Tem apenas uma bandeirinha.

Apostava que Passos puxa pelas capacidades literárias de Portas para, em nome de ambos, se dirigirem por carta, aos cidadãos eleitores, numa mensagem que, hipocritamente, mistura agradecimento com esperança.

Não se agradece a alguém que de há muito é vítima de agressões permanentes. Não se dá esperança a quem já foi privado de ter uma vida normal. Ou, a quem já não vive pois, simplesmente, sobrevive. Puxa!...

Este é o pano de fundo de uma governação, cinco estrelas. ‘Já não há estrelas no céu’. Sim, já não há… E não é preciso puxar muito pela mona para chegar à conclusão de que Passos e Portas têm apagado muitas.