Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

28 Mai, 2014

PELO CONTRÁRIO

 

 

Há muita coisa para ver para lá dos sorrisos, das alegrias e das tristezas que as eleições europeias já proporcionaram. O país está animado, muito mais que com os dados de hoje do BdP e do CES.

E, no entanto, quem devia estar triste, comemora a tristeza dos outros. Se é que essa tristeza é reconhecida internamente. Tristes haverá sempre e em qualquer lado. É uma questão de quantidades.

Discute-se muito a oportunidade destas alegrias e tristezas. Do meu ponto de vista, isto veio mesmo a calhar. O governo e os seus, enganam-se a si próprios. O PS, caminha para a inevitável mudança.

Seguro passou de zero à esquerda no entender do governo e dos seus, para um herói atraiçoado pelos seus. No PS, quem mais falou de mudança, está agora a clamar por continuidade para o sucesso.

Neste mar de contradições, é evidente que terá de vir a reconhecer-se que, ao contrário do que alguns dizem, esta oportunidade surgiu no momento em que tinha de surgir. Por muitas razões óbvias.

O PS não podia esperar mais tempo, sob pena de ganhar cada vez menos. O governo e os seus, esperavam revitalizar-se com o definhar do PS. Porque o tempo não espera, não havia mais tempo a perder.

O país precisa que todos acordem desta louca lógica de que tudo está bem, mesmo vendo como tudo está péssimo. Precisa-se de uma nova atitude dos partidos e do governo. Essa, sim, é a mudança necessária.  

Já que não temos ninguém que se ponha do lado do povo que reclama, não há outro modo que não seja dar a palavra ao povo, nos partidos e nos órgãos de poder. Há que substituir. Há que mudar.

Apoiar o que está, não muda nada. O PSD está esfrangalhado há muito. O PS vai pelo mesmo caminho. Seguro está a ficar igual a Passos. É isto que o país precisa? Pelo contrário. Vamos e depressa.