Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

06 Set, 2015

PIOR? NÃO!...

 

Não há nada pior que não se poder andar na rua sem ter de estar sempre com o olho alerta para quem pode vir de rompante ao nosso encontro e pretender agarrar-nos pela gola do casaco ou pelos colarinhos da camisa.

Nem que seja à saída do edifício em que nos encontramos a gozar os prazeres de boas companhias, contando histórias de encantar, ou vendendo a nossa pomada especial para fazer sorrir quem nos quer ouvir.

E o pior de tudo é quando a polícia não estiver ali por perto para nos meter à pressa dentro do carro. Não tanto a nós, mas a quem anda por aí armado em providencial salvador do povo, depois de o ter achincalhado.

Nós portugueses, estamos numa altura muito sensível da nossa vida. À beira de irmos votar, desconhecedores do que temos passado, ignorantes quanto ao que se vai passar, precisamos muitíssimo de ser esclarecidos.

Mas, sorte madrasta, não temos ninguém que o possa fazer livremente. Estamos entregues à nossa imaginação. Grosso modo, temos opções. Uma coligação que está no poder e um candidato que é estreante nesta lida.

Acontece que é voz corrente que o estreante não vai ser ouvido por ninguém, apesar de percorrer vilas, cidades e aldeias, falando por montes e vales sem qualquer interferência ou ruido a quem está disposto a ouvir.

Há quem entenda que a voz de ‘um deus distante’, vai falar tão alto, que vai sorver a sofreguidão e a presença dos bons entendedores. O candidato estreante não vai ter ninguém consigo onde estiver ou onde possa falar.

Por parte da coligação, temos o problema de haver pouca vontade de falar, seja do que for, seja onde for e seja com quem for. Depois, pior ainda, os perigos de virem ‘estranhos desordeiros’ aos seus encontros.

É óbvio que não faltarão polícias para conter esses estranhos entusiasmos, mas acabará por acontecer que os necessitados de esclarecimentos, vão ficar com noções mais ou menos profundas sobre matérias inesperadas.

Portanto, até o inesperado pode tornar-se esperado. Nunca se sabe a quem o diabo prega partidas. Sou um ignorante esclarecido. Haja barulho, ou ruido, cacetada ou correrias, saberei o que fazer. Pior que isto? Não!...