Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

30 Out, 2014

PORREIRISMOS

 

O mundo dá muitas voltas e os gajos porreiros de ontem, passam a ser beras de um momento para o outro. Enquanto os beras, com o passar do tempo, ficam porreiros, a ponto de se lhe passar a mão pelos ombros.

O cherne da Europa disse agora que sempre apoiou o Pinóquio português. Sempre, até receber ordens em contrário, obviamente. Os tempos do, porreiro, pá, eram de sintonia e amizade. Porreiro, não é qualquer um.  

Pressupõe-se, no caso, que porreiros eram os dois. Porque os porreirismos de então, só podiam derivar de uma comunhão de objetivos e interesses. Depois, o porreiro europeu, foi obrigado a trocar apoios por empurrões.

Hoje, o Pinóquio está numa fase de recuperação, no que toca à imagem. Ainda não é tão porreiro como foi em tempos. Mas já não é tão Pinóquio como quiseram que ele fosse. Hoje, para muitos, há mais beras que ele.

Tenho uma curiosidade que não deixa de me moer o juízo de vez em quando. Publicam-se tantas sondagens, a propósito de tudo e de nada e ainda nenhum centro de estudos de opinião se lembrou desta ideia.

Ordenar por popularidade os seguintes políticos: Cavaco Silva, Passos Coelho, Paulo Portas e José Sócrates. Ah, já agora, podia meter-se no lote, Poiares Maduro, o homem que fala claro, depressa e às vezes muito bem.

Em nome do nacional porreirismo tenho de me redimir de uma indesculpável omissão. Mas que cabeça a minha. Então não é que estava a deixar de fora Durão Barroso? Que é só um dos mais populares por cá.

Pois é. Se alguém conseguir que se realize este estudo, fico aliviado desta preocupação. Não é por nada, mas eu adoro gajos porreiros que me ensinam ou ensinaram qualquer coisa. Gajos, é no bom sentido, claro.