Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

27 Out, 2015

Processados

 

Acaba de vir o novo governo saído de processo de vida completamente à margem da regrada racionalidade aconselhada pela OMS. Todos os seus elementos são processados, logo, com frescos a menos e salgados a mais.

Fica-se com a impressão de que houve a intenção de fazer passar a ideia de que os portugueses foram vítimas de um aldrabão. Ora, os portugueses foram mesmo aldrabados, por novos, por velhos e por rançosos cotas.

O novo vice, Sacadura Cabral, disse que o PS tem ambição, sede e fome de poder. Normalíssimo. Entrar para o poder é estimulante. Mas sair do poder, caso do vice Cabral, é desespero, frustração e, pior ainda, medo.

Ou muito me engano, ou foi isso mesmo, medo, que fez com que o vice Sacadura Cabral deixasse de aparecer sempre a rir, com ou sem a mão em frente da boca. Já deve ter percebido que não vale a pena rir muito cedo.

Tentou fazer crer que ele, Coelho e Silva, têm horário de funcionários públicos. De quinta-feira à noite até segunda de manhã, não há nada para ninguém. Serviços encerrados. Ainda que sem o ‘fechado’ nas portas.

Este novo e, provavelmente, o menos duradouro governo da nossa democracia, entra com o perigoso rótulo de ministros processados. Não com origem em modernas unidades industriais, mas no caseiro mais rural.

Senão veja-se: Pedro Coelho, PM; Sacadura Cabral, Vice PM; Casanova Morgado, finanças; Parente Chancerelle, estrangeiros. Depois, há mais um Mimoso, uma Graça, um Leitão, uma Leal e, inimaginável, um Russo.

Mas, como é possível, um governo de Portugal, agora, neste momento tão singular da nossa virtuosa democracia, ter um russo no seu elenco. Será um russo dissidente, ou um russo convertido, mas é Russo e ponto final.

O processamento deste condenado governo é ainda mais rápido que a vida daqueles leitõezinhos de leite que são abatidos quase logo após o nascimento. Esses não são processados, mas bem queimados no forno.

O que interessa é que não estejam estornicados. Ao dar uma rápida olhadela pelos nomes que compõem o novo governo, fico surpreendido como foi possível num fim-de-semana, arranjar tantos novos ministros.