Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

03 Nov, 2015

Quanto mais levas

 

Esta coisa de levar, tem que se lhe diga e é por isso que resolvi dar qualquer coisa à discussão do assunto. Jorge Coelho descobriu há muitos anos que quem se mete com o PS leva. Não sei o que dirá Francisco Assis.

Sim, porque Assis está a meter-se com o seu PS, o mesmo de Jorge Coelho e de António Costa. É caso para dizer qual, ou quais deles, estão a dar e a levar. Mas, acima de tudo, quem vai levar a melhor no meio desta trolha.

A mim faz-me muita impressão ver o Assis e os seus acompanhantes a usar argumentos que facilmente são remetidos para um campo de maus perdedores, para não dizer que a tal lei do tacho está a falar mais alto.

Como se não soubessem que no tempo em que eles estavam na mó de cima do partido, as coisas se passavam exatamente assim. Tal como acontece na direita. É uma chatice, mas os tachos são menos que eles.

Que é como quem diz, que os tachos não chegam para todos. Depois, até pode acontecer que na concorrência se arranje qualquer coisinha. E então agora, que a cotação dos desalinhados deve estar altamente inflacionada.

Talvez até haja um bónus especial de conjuntura. E em lugar de levar pancada da grossa, até pode haver um tipo de condecoração, mesmo sem medalha ao peito, ou uma bela casaca virada com lustroso forro laranja.  

Entre os dissidentes muito conhecidos, dá para perceber o que anda por ali escondido, através dos argumentos invocados. Falta de diálogo e de discussão ou desconhecimento do acordo, são dois dos principais motivos.

Argumentos patetas, de patetas, para patetas. Houve mandato para proceder assim e a discussão e criação de acordos não se faz na praça pública. Mas serão depois ratificados, após concluídos, no lugar próprio.

Depois, em tempos de menor pica, o que interessa é animar a malta. Já que a animação anda arredia de alguns, esses, mudam de poiso e procuram aliviar tristezas. E nada melhor que um leitãozinho à maneira.

Mas tudo isto é normal num partido político. Quando se não passa isto, diz-se que há unanimismo. Só é de lamentar que apareçam sempre aqueles que, tendo a casa a arder, só se preocupam com a chaminé alheia.