Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

15 Jul, 2020

Quase completamente

Confesso que vou caminhando para aquela fase da vida em que tudo é quase completamente. A cada dia que passa mais se ouvem frases que me deixam quase completamente varrido. Ou seja, não me deixam completamente varrido por causa daquela palavrinha 'quase' que, no caso, serve de travão ao meu estado de parvoíce total.
Vamos lá supor que eu penso que o nosso presidente Marcelo é 'quase completamente' um estorvo à separação de poderes dos órgãos de soberania do Estado. Presumo que Marcelo só não é estorvo porque quase o não é. É este o pomo da discórdia que me afasta de certos frequentadores especiais de espaços de comentadores das TV's.
Partindo deste princípio o nosso PM António Costa é quase um ignorante comparado com outros Antónios Costa que estão ditribuidos por lugares estratégicos dos nossos meios de comunicação social. Por que o PM faz quase tudo completamente errado e quem o critica faz e diz tudo quase completamente às cegas, mas completamente certo.
Ontem, os três presidentes do Porto, (Câmara, Clube e Conselho) num tom quase completamente anacrónico, foram acalmando o pagode, no sentido de se conterem (depois estimulando) na iminência de uma conquista que estava quase no papo, a aparecer via derrota de um adversário que tinha de perder quase completamente esse joguito.
Hoje o cenário é quase completamente o mesmo com outra vítima. Que não pode ganhar mas que até pode empatar para que o tal pontito que não surgiu ontem por fora, apareça hoje por dentro. Se não foi ontem será hoje quase completamente de certeza. Certo é que este quase completamente tem de se transformar em simples completamente.
Quase delirei ao constatar que uma baleia azul de ontem num ecrã azul, excitada e risonha ao falar do pontito do outro, que acabou por ter os três, fazendo que a baleia aparecesse vestida de vermelho, mas igualmente excitada e risonha com o pontito que tem de vir hoje, ainda que a vítima tenha de acabar o jogo quase completamente frustrada.
É um facto que o quase e o completamente não jogam um com o outro. Ou é quase ou é completamente. Ou talvez seja um vírus gramatical. Vírus que já infetou completamente a vida política do país. Pois os ecrãs e os papagaios são capazes de tudo por um qualquer pontito que lhes dê a sublime sensação de que vão trepar as escadas da fama.