Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

10 Fev, 2014

QUEM DÁ MAIS?

 

 

O PSD quer dar, ainda este ano, um aumento de salários e um corte no IRS para aliviar as dificuldades das famílias. Paulo Portas quer um corte no IRS em 2015, com o mesmo objetivo dos seus parceiros de governo.

Portas já se fartou de anunciar cortes maus. Como aqueles que afetaram os velhinhos e as criancinhas e ultrapassaram a fatídica linha vermelha. Agora quer um corte bom. Um corte salvador. Um corte mate, por certo.

Deve haver aqui um equívoco muito grande. Talvez haja até mais que um. As eleições são só no próximo ano, daí que Portas esteja mais realista que o PSD, na dança das promessas próprias da época que se aproxima.

É natural que as promessas do PSD tenham de ser mais e maiores que as do CDS, devido ao habitual peso eleitoral de cada um deles. Mas há que ter em conta a estaleca negocial de Paulo Portas. Que é uma ameaça.

Deve ser um grande, um enorme equívoco, o facto de ambos os partidos estarem preocupados com as famílias. A menos que estejam a referir-se às suas famílias políticas. Provavelmente, apenas aos chefes dessas famílias.

Outro equívoco agora já esquecido, este do homem que nunca mentiu aos portugueses e dá pelo nome de Pedro Passos Coelho (não sei se falta algum nome), foi ter dito que se estava lixando para as eleições.

Provavelmente está a ver que já se lixou. Portanto, já tanto faz como fez. E o melhor é começar a fazer concorrência ao poderoso Portas. Se ele promete para 2015, há que prometer já para este ano. Que se lixe…

O tempo, à medida que vai passando, torna-se numa coisa terrível. Até Passos e Portas devem estar siderados. Vítor Gaspar vai para a UE graças a Paulo Portas. Não fora ele, o Vitinho ainda estaria hoje no governo.

Por consequência, Maria Luís deve a Paulo Portas a sua promoção a ministra. Não fora ele, ela ainda hoje seria secretária de estado. Mas, muito mais interessante que tudo isso, ela nunca viria a saber que é única.

Por tudo isto, Paulo Portas está a ganhar pontos a Passos Coelho. E ainda falta o futuro livro de Álvaro Santos Pereira, outro novel europeu. Certamente que vai dizer que Portas dá muito mais que Passos. Limpinho!