Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

28 Dez, 2014

RECADO

 

Passos não quer ver os ministros a trabalhar pelos muitos países de onde nos tem vindo crescente prestígio, depois de qualquer das muitas viagens que se têm sucedido, sempre com evidentes resultados surpreendentes.

Portanto, que se lixem as viagens ao estrangeiro, pois é preciso fazer viagens, muitas e profícuas viagens, no território nacional, às sedes do seu partido, para desfazer aquela feliz ‘ideia idiota’ - que se lixem as eleições.

Ao que tudo indica, também ele vai deixar de se deslocar a Bruxelas, onde costuma receber a calendarização da sua agenda política, económica e social. Tal resolução permite-lhe, finalmente, pensar pela sua cabeça.

Além de continuar com a sua já, comprovadamente, frutuosa agenda mediática que nunca esteve dependente de Bruxelas ou de Berlim. Essa é frutuosa demais, ou não fosse ela bem à maneira da suculenta laranja.

Portanto, Passos terá mandado um recado a si próprio, para que assuma já, uma mudança radical em relação ao passado. Este recado antecedeu o outro, em que determinou a todos os ministros o que impôs a si próprio.

Bom, estes recados não são da minha pesquisa à agenda do PM. Resulta do que contaram a Marques Mendes e que este contou aos portugueses na SIC. Eu só consigo contar alguma coisa, se alguém me contar a mim.

No entanto, sempre vou inventando qualquer coisinha. Essa coisa de não viajar para o estrangeiro, cheira-me a um recado que vai direitinho para Paulo Portas. O que é normal, pois as viagens dele são de longa duração.

E de longas distâncias. Passos teme que ele inicie uma dessas viagens e não regresse a tempo de fazer a coligação para as legislativas. Ou que nem sequer regresse a tempo de meter na urna o seu voto decisivo.

Só não consegui saber, porque ninguém me contou, se o recado para não sair do país, também abrange o pessoal que decide abalar de cá para fora. É que, todos os portugueses ficam desde já mobilizados para votar nele.