Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

13 Dez, 2015

Sampaios

 

Este país não é tão mau como o pintam. Temos a Sara Sampaio que é um regalo para a vista, pelo menos por fora, já que por dentro, o acesso deve ser muito restrito. E, ao que me parece, ela é muito mais apreciada lá fora, que por cá.

É o costume, neste país de bons e brandos costumes. Passos Coelho também é apreciadíssimo lá fora, e cá dentro é o que se vê. Outros, muito parecidos com ele, não são conhecidos lá fora, e cá dentro ninguém quer ouvir falar deles.

Mas, a Sara Sampaio não tem problemas destes. O único problema que eu vejo nela, para mal dos seus admiradores, é o facto de ser pouco mostrada por quem o podia fazer. A culpa não é dela. É de quem gosta mais de mostrar aqueles.

Seguindo na rota dos Sampaios, tivemos um presidente com esse nome, há uns bons anos. Que não teve nada a ver com o Cavaco que temos hoje. Esse mesmo homem, é agora um Homem que dá prazer ouvi-lo falar sobre qualquer tema.

Homem que fala pelo que tem dentro da sua cabeça. Sim, porque ele não tem a cabeça vazia, ou oca, como tantos homens e mulheres que têm interferido na nossa vida. Desastradamente. Precisamente, porque só souberam obedecer.

Hoje, quando o país tem a possibilidade de experimentar novos rumos, quando toda a gente sabe que não podemos continuar a pisar os mesmos riscos, abre-se uma nova janela de oportunidades, com a escolha do Sampaio do futuro.

Como ele disse, há uma espécie de anestesia no país. E tem toda a razão. Na verdade, temos anestesistas a mais para as cirurgias de que o povo precisa. E com tanta anestesia desnecessária, alguém vai ficar a dormir por muito tempo.

Todos os portuguese sabem que, nos dias de hoje, os países estão sob fortes orientações externas. Logo, os nossos governantes não são totalmente livres de escolher o que pretendem fazer. Daí que tenham de ter coragem para discutir.

Mas, para saber discutir, é preciso ter ideias, ter poder de persuasão, ter força argumentativa e, acima de tudo, ser português e independente, para levar para a mesa das negociações, aquilo que, verdadeiramente, interessa a Portugal.    

A palheta, a lábia, a simpatia forçada, a instabilidade verbal, política e social, tudo embrulhado numa dependência de interesses que já sabemos onde nos conduziram, será tudo o que Sampaio da Nóvoa, precisa desmascarar agora.