Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

14 Abr, 2014

SÃO COISAS...

 

 

Os dois principais candidatos da coligação PSD/CDS às eleições europeias não se cansam de falar de bancarrota e de ‘bancarroteiros’ como tema central das suas inteligentes e dignas campanhas.

Não há dúvida de que os seus discursos são de uma suculência extrema e as suas mensagens abarrotadas de uma sapiência e de uma moralidade incomparáveis. Dá gosto ouvir políticos destes.

Porque os seus exemplos e os seus currículos lhes dão uma autoridade indiscutível para falar do que falam. Eles obrigaram a ir buscar a troica, mas serão eles a mandar embora a troica. Quando?

Não se sabe, mas o que fizeram, é já um ato de heroísmo nacional. Que lhes dá crédito ilimitado para considerar os opositores do PS, uns atrasados mentais e um estorvo ao desenvolvimento do país.  

Este é o seu discurso. Esta é a sua mensagem. Eles são únicos e perfeitos. O resultado está à vista. Melhor que Passos e Portas, ninguém. Melhor que Nuno Melo e Paulo Rangel, só os seus chefes.

Todos eles já provaram que são ótimos no que dizem e no que fazem. Seguro é um nabo qualquer, porque até é um perigo deixá-lo experimentar a fazer qualquer coisa. Porque não lhes ensinou nada.  

Alguém anda a tratar de correr com o Sócrates da RTP. Deve ser o Seguro. Não se sabe bem porquê. Imagina-se que deve pensar mal dele. Por causa das mentiras que põe no ar nos domingos à tarde.

Tudo porque ninguém, em Portugal, mente mais que ele. E agora, época de eleições, mentir na televisão pública, é um sacrilégio. Até agora, por delicadeza, ainda ninguém o desmentiu. Mas vão fazê-lo. 

Seguro é já um elemento imprescindível aos candidatos às europeias e aos seus apoiantes. Sem ele, restava-lhes falar do Sócrates. Porque falar de Passos e Portas, consideram eles, é pura perda de tempo.