Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

25 Nov, 2019

UM GRANDE...COMO?

Jesus é grande em Portugal e enorme no Brasil. Por enquanto. Toda a gente sabe que ser um grande treinador não é sinónimo de ter clube para treinar enquanto lhe apetecer. Pode sê-lo enquanto apetecer a quem dirige o clube que o contratou e, naturalmente, enquanto não houver contestação ao presidente pelos maus resultados obtidos.

Jesus conquistou o Brasil futebolístico do Flamengo em cerca de cinco meses. É obra! Mas Jesus esquece que pode perder esse tremendo mundo da bola em menos de cinco dias ou mesmo cinco minutos se ocorrer qualquer ‘cagança’ que desgoste a torcida ou ameace o bom nome dos dirigentes do Fla. E com Jesus excitado e inebriado pela vã glória do sucesso supersónico, tudo pode acontecer.

Jesus, ainda dentro do vendaval dos festejos, deixou entrever que já sonha com a ascensão a um grande clube da Europa. É evidente que um grande clube tanto pode ser o Mafra português como o Barcelona espanhol. É tudo uma questão de grandeza relativa. Mas, para Jesus, obviamente que será sempre ao nível de um Man United ou de um Bayern de Munique.

Excecionalmente Jesus poderia abrir uma honrosa exceção, se as suas espectativas se gorassem quanto ao nível máximo dos seus sonhos. Então, poderia contentar-se com uma ida até à Invicta, onde o Dragão Mor realizaria, ao que se ouviu em tempos, o sonho de juntar Jesus ao Papa do norte, numa comunhão espiritual que revolucionaria o futebol português, que mudaria de uma liga do diabo, para uma santa liga.

Tal só seria possível se entretanto o senhor de Conceição caísse em desgraça definitiva, depois de o rei dos pneus realizar o sonho de tornar o seu clube o maior dos grandes europeus. Aí, cuidado, Jesus ainda pensaria duas vezes em Lisboa, e seguir a sua crença de um dos grandes europeus. Para Jesus, é tudo uma questão de fé e de dimensão.

Mas, por agora, Jesus sonha ascender ao cimo do morro e, lá no alto, abrir os braços como os tem o Cristo do Corcovado e gritar bem alto para que todo o Rio de Janeiro o oiça: Agora já não sou Jesus. Sou o deus desta cidade maravilhosa, onde se acorda da noite do maior carnaval do mundo, com uma ressaca de ‘cagança’ que bem pode não durar até ao carnaval do ano seguinte.

Até porque em Portugal, e até na Europa, não há ressacas como no Brasil, onde até nos dá a impressão de que lá, é tudo à bruta, tanto a ganhar como a perder. Por cá, é tudo muito mais ‘calminho’. Sim, porque Fado não é Samba. E grande, grande, só o sol que nos aquece e a lua que nos mente a cada cara que nos mostra.