Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

afonsonunes

afonsonunes

03 Jul, 2014

UM PAÍS TRISTE

 

 

Hoje, quinta-feira, o país está irreconhecível. Aquele seu único vício que ainda pode ter, de se sentar frente ao televisor e ver os astros estrangeiros a fazer aquelas maravilhas que os nossos não fizeram.

Por outro lado, saber que há um Conselho de Estado onde não vai haver ninguém a dormir uma soneca. Saber que a fome vai atacar e influenciar os oradores. E o país sem poder saber nada do que lá vai.

Talvez amanhã haja alguém que diga o que lá se não passou, para nos levar a pensar o que lá aconteceu. Mas, como ninguém dormiu a sesta, é de crer que ninguém se atreva a divulgar os seus sonhos.

Hoje, o país só pode lembrar-se das farturas de ontem, que foi um dia de barriga cheia. E ninguém desmaiou, apesar das muitas coisas indigestas que os portugueses aguentaram durante toda a tarde.

Discursos e mais discursos, sempre dos mesmos, com as mesmas baboseiras mais ou menos ridículas e despropositadas, quase sempre ofendendo a realidade de outros tempos e de outras pessoas.

Fartos do que ontem se ouviu demais, era quase certo que hoje não se ia ouvir nada. Nada de jeito, claro. E até do Brasil veio o silêncio. Nem um golo de encher o olho, nem o barulho da rua. Tudo como cá.