Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

afonsonunes

afonsonunes

29 Jun, 2018

Urugu...ai!


Muito sinceramente sou daqueles que acreditam até ao último segundo num desfecho favorável de um jogo qualquer, disputado pela nossa seleção.

Não tanto pela fé inabalável do nosso selecionador que, por acaso até se chama Santos. Mas que, acima de tudo, acredita que todos os seus homónimos nunca o abandonam, sejam quais forem as circunstâncias.

Mas eu acredito sempre que o próximo jogo é aquele em que Santos e companhia não mais vão cometer os mesmos erros do, ou dos jogos anteriores. O nosso Santos tem de provar que santos da casa também podem fazer milagres uma vez mais.

Obviamente que não sou tão otimista como o nosso presidente que diz ter a certeza de que os selecionados portugueses são os melhores do mundo e, no lugar dele, mesmo que acreditasse que isso era verdade nunca lhes diria isso, assim, dessa maneira.

Para mim, a melhor maneira de motivar, seja onde for e seja quem for, é pela via da simplicidade e do realismo das situações. E vejo com muita apreensão, como há muita 'garganta' por todo o lado, como se do outro lado da luta estivessem apenas uns bons rapazinhos.

Os números de ambos os competidores não deixam dúvidas quanto a favoritismos. Não dão o resultado final, obviamente, mas as surpresas, só por si, justificam muita calminha no meio dos exageros que a bola proporciona. Ou não fosse ela redondinha.

Não podemos acreditar que os milagres acontecem em todos os jogos. Pelo contrário, é preciso justificar com suor e sacrifício o pendor do resultado. E o que temos visto, diz-nos que os nossos selecionados, não lutam com o fervor dos adversários, não correm como eles correm, não arriscam como eles arriscam tudo.

Mas isto é o que tem sido. Não é isto que vai voltar a acontecer amanhã contra o Uruguai. No final do jogo, os nossos representantes podem estar de boca aberta, com a respiração ofegante e as pernas vergadas. Mas na face de cada um deles tem de estar um sorriso amarelo, de cansaço, mas feliz pelo dever cumprido.

Estou pois convencido de que no final do jogo, desta vez, não podemos deixar que os uruguaios gritem de alegria, Urugu...ai, ai, ai, ai... O grito deles terá de ser fulminante como um raio, Urugu...ai! ai! que já nos destes!!!!!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.